Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Roteiro de 4 dias pela Madeira

07.06.19 | Raquel Dias

Já estou de volta (finalmente) com as férias e os meus anos decidi parar um pouco e aproveitar a família, e fazer uma pausa nas redes sociais. Mas já estou de volta e com fotos lindas da Ilha da Madeira para vou mostrar.

Estive 4 dias na Madeira, e esta foi a minha 3ª vez na ilha, tinha lá estado em 2001 e 2011. Fomos um grupo de 6 pessoas, eu e os meus pais e o meu namorado e os pais dele que nunca lá tinham ido, e decidimos então fazer assim umas mini férias.

Se tivesse de descrever a Madeira em 3 palavras seriam beleza, flores e bananas .

Todos nós sabemos que a Madeira faz parte de Portugal, mas é uma beleza tão diferente do continente que quase parece outro país. Fui nesta época porque estava a decorrer a Festa das Flores, se as flores lá já são um sonho, imaginem nesta altura. 

Deixo-vos então em baixo o roteiro que eu fiz para estas férias e com sorte vocês se possam inspirar e fazerem vocês mesmos esta viagem.

 

DIA 1

LISBOA - MACHICO - CANIÇAL - PONTA DE SÃO LOURENÇO - GARAJAU - FUNCHAL

dia 1.png

Aterrámos por volta das 11h e já tinha reservado um carro pela Rentalcars (podem obter o cashback pelo site Beruby) e bastou-nos levantar logo junto à saída e seguimos viagem. Como o aeroporto fica em Santa Maria decidimos fazer logo a zona Este da Ilha.

Começamos então por visitar a Baía de Machico, foi aqui que os descobridores João Gonçalves Zarco e Tristão Vaz Teixeira desembarcaram pela primeira vez, em Machico há também o Forte do Amparo que servia para defender a baía e a Igreja Matriz de Machico, desta vez estava fechada e por isso não a podemos visitar.

ACS-0106.JPG

(Aeroporto da Madeira)

ACS_0113.jpg

(Baía de Machico)

ACS_0112.jpg

(Igreja Matriz de Machico)

 

Seguimos para o Miradouro do Pico do Facho, de onde se vê Machico e a Ponta de São Lourenço, este pico antigamente servia para acenderem fogueiras para avisarem a população da chegada de embarcações inimigas.

Almoçamos no Caniçal, no Restaurante Cabrestante, a comida estava toda muito boa, eu comi peixe espada com banana e molho de maracujá. Se por acaso tiverem por esses lados vão lá comer as empregadas eram todas muito simpáticas também.

ACS_0115.jpg

(Miradouro Pico do Facho)

ACS-0107.JPG

(Miradouro Pico do Facho)

IMG_2532.jpeg

(Almoço Restaurante Cabrestante)

 

Depois seguimos para a Ponta de São Lourenço, vocês podem caminhar por lá ou podem ficar só à entrada, é a parte mais "deserta" e por isso levem calçado confortável para andarem por lá. Eu andei 2h para lá e para cá, e por isso não deu para ver toda a beleza natural, mas façam pelo menos um pouco do troço, vale a pena.

A nossa ideia era passar pelo Mercado do Santo da Serra, mas já estava fechado quando passámos e fomos então até ao Café Relógio que fica na Camacha, aqui vocês podem ver as senhoras a fazerem as cestas de vime e podem também compra-las, podem ainda aproveitar para lanchar no café se a fome apertar .

Para terminar as visitas do primeiro dia fomos então até ao Garajau onde fica o Cristo Rei e um dos teleféricos, tenho a dizer que de todos os dias este foi o sitio que mais me desiludiu, estava meio abandonado, montes de ervas a crescer. Quando eu lá estive em 2011 podia-se ir até ao miradouro que estava fechado e super mal tratado, a madeira toda a cair, foi um dos sítios que mais tinha gostado de vir porque o miradouro dava-nos a sensação de estarmos perto do mar e vê-lo assim tão mal tratado deu-me pena.

ACS_0114.jpg

(Ponta de São Lourenço)

ACS_0116.jpg

(Ponta de São Lourenço)

ACS_0117.jpg

(Café Relógio)

ACS-0108.JPG

(Cristo Rei - Garajau)

Fomos então em direcção ao Funchal para fazer o check-in no hotel, nós ficamos no Enotel Quinta do Sol (é só para adultos), o hotel é maravilhoso, empregados super prestáveis, excepto um senhor de bigode da recepção, o pequeno-almoço é muito bom e completo. À noite têm música ao vivo e também há jantares com temas diferentes. Eu reservo sempre as minhas viagens pela Abreu, adoro a empresa e nunca me falharam. Mas podem também reservar o hotel pelo Booking (podem obter o cashback pelo site Beruby).

IMG-2558.JPG

(Enotel Quinta do Sol)

IMG-2559.JPG

(Enotel Quinta do Sol)

Para terminar o dia jantámos no Restaurante Porta do Lado, a comida mais uma vez era muito boa, nada a apontar, ambiente calmo por isso recomendo. Mas todos os empregados eram antipáticos, qualquer coisa que nós perguntássemos faziam uma cara de frete. Por isso se não se importarem com isso a comida é muito boa, e só pela comida é que recomendo.

IMG-2566.JPG

 

DIA 2

CÂMARA DE LOBOS - CABO GIRÃO - PORTO MONIZ - VÉU DA NOIVA - GRUTAS DE SÃO VICENTE - PONTA DO PARGO

dia 2.png

Começamos o 2º dia por tomar o pequeno-almoço que como tinha dito antes é maravilhoso, eles têm lá uma parte de show cooking com uma pessoa, onde fazem as panquecas, os ovos, o bacon, é bastante diferente e dá para ver como a comida é confecionada.

Este dia foi também o mais preenchido, vimos a parte Oeste da ilha e começamos pela Câmara de Lobos, porque eu queria ir ver os barcos coloridos que normalmente estão na praia, para serem arranjados.

De seguida fomos até ao Cabo Girão, é um miradouro, todo em vidro, por isso para pessoas com vertigens não é aconselhado, há sempre muita gente lá e podem ver regularmente também pessoas a fazerem parapente.

61956108_573559999838383_5053729227967299584_n.jpg

(Câmara de Lobos)

ACS-0109.JPG

(Câmara de Lobos)

62642713_1639365566208219_644405073341841408_n.jpg

(Cabo Girão)

DSC_0165.JPG

(Cabo Girão - e namorado com medo)

Éramos para ir à Sociedade de Engenho da Calheta, onde está um dos mais antigos engenhos de cana-de-açúcar existentes na Ilha da Madeira, trata-se de um exemplo vivo do passado açucareiro, com meio século de história. Produz rum de qualidade, obtido sob fermentação controlada e cuidada destilação, e mel de cana, obtido através da cozedura da garapa (caldo de cana) a vapor.
A fábrica labora uma vez por ano, normalmente logo a seguir à Semana Santa. As instalações, com a sua maquinaria usada na fabricação da aguardente e do mel, podem ser visitadas todo o ano e de forma gratuita. 

Mas nós enganámo-nos no caminho e já estávamos longe e então já não deu para voltar para trás, mas passem por lá que deve ser super interessante.

Almoçamos então pela Ribeira Brava, no Restaurante Concord, que desculpem a expressão, é uma valente porcaria, pelo menos os pratos com lulas. Eu pedi calamares e a minha mãe pediu lulas à diabinho, as minhas vieram uma valente m**** porque as lulas vinham separadas completamente do panado e vejam o aspecto, pela foto em baixo, as da minha mãe vinham quase vivas e nada a haver com a foto que eles nos mostraram do que era o prato. Reclama-mos, nem o dono, nem o chef tiveram a decência de sair da cozinha para nos vir falar sobre o que quer que fosse. A rapariga que nos estava a servir foi impecável connosco e ela própria disse logo que não comia aquilo, e não pagámos os 2 pratos, o resto do pessoal disse que a comida era okay.

62226626_439283470230768_6165719672768430080_n.jpg

(Os calamares)

Eu e a minha mãe cheias de fome, mas seguimos caminho para as Grutas de São Vicente, têm o custo de 8€ por pessoa, mas valem super a pena, além de lindas por dentro, a guia explicou tudo muito bem, e no final há um centro de interpretação interativo que explica muito bem tudo o que é relacionado com os vulcões.

Fomos então até ao Véu da Noiva, é uma queda de água que cai directamente sobre o mar. Antigamente os carros passavam pelo túnel mesmo de baixo da cascata, eu ainda passei quando fui em 2001, e é das coisas que mais me lembro. Fecharam a estrada pois o risco de derrocada era cada vez maior, e vimos parte em que já houve alguns deslizamentos e já nem se vê a estrada.

De seguida fomos até às Piscinas Naturais de Porto Moniz, são compostas por rochas vulcânicas, a água é geladinha, mas só pela beleza, valem a pena .

61897832_416666778885387_534220517746409472_n.jpg

 (Grutas de São Vicente)

ACS-0104.JPG

(Véu da Noiva)

62016936_2364855927129625_4694385141265465344_n.jp

(Piscinas de Porto Moniz)

Seguimos para o Miradouro da Garganta Funda, é uma queda de água, mas para ser sincera corria pouca e tem de se andar um bocadinho até lá chegar, no entanto vale sempre a pena lá ir. Dali vê-se o Oceano Atlântico e o Farol da Ponta do Pargo, que foi onde fomos a seguir. Não deu para entrar pois era fim de semana e estava fechado, mas ver o por do sol aqui é lindo, apesar de não ter estado o melhor sol de sempre, o céu estava lindo na mesma.

Por fim terminamos o dia a jantar no Restaurante Taberna Ruel, no Funchal e que recomendo imenso, da comida aos empregados tudo 5*.

62040296_569374310254990_3180103788660785152_n.jpg

(Miradouro da Garganta Funda)

61979417_341948093136019_2341525640458534912_n.jpg

 (Por do Sol no Farol da Ponta do Pargo)

DSC_0281.JPG

(Farol Ponta do Pargo)

62200638_620090808470085_8791654658838888448_n.jpg

 (Vitela com cogumelos - Taberna Ruel)

 

DIA 3

CURRAL DAS FREIRAS  - PICO DO AREEIRO - RIBEIRO FRIO - FAIAL - SANTANA - MONTE

dia3.png

Após o pequeno-almoço seguimos então para o Curral das Freiras, o nome deve-se ao facto das freiras do Convento de Santa Clara terem ido para ali devido aos constantes ataques piratas no Funchal. Fica completamente rodeado por montanhas e daí o motivo de se terem mudado para lá, além de que aquelas montanhas enormes são lindas.

Seguimos para o Pico do Areeiro, é o 3º ponto mais alto da ilha, com 1818 metros de altura, no cume há a Estação Radar da Força Aérea Portuguesa, mas também podem comer e comprar lembranças. Podem ainda caminhar até ao Pico Ruivo, com 1862 metros de altura, demorando assim 3h e é feito através de túneis e caminhos abertos nas rochas, se estiverem interessados em fazer levem lanternas e roupa confortável.

62171147_628662790981512_5515101310757634048_n.jpg

(Curral das Freiras)

 

 62603430_834743760238955_28520580005232640_n.jpg

(Pico do Areeiro)

dia 3 (5).JPG

(Pico do Areeiro)

 

Parámos para almoçar no Ribeiro Frio, comemos uma bifana no pão do caco, o sitio é muito bonito e podem visitar também o viveiro de trutas.

Seguimos então até às formações rochosas na Praia do Faial, e formos então até Santana, para ver as famosas típicas casas em triângulo pequenas onde vivam familias inteiras e bebemos a melhor poncha de maracujá da ilha.

Por último seguimos para o Monte para fazer a descida nos carros de cesto, o custo é de 30€ por 2 pessoas ou 45€ por pessoa. A descida é de 2km (Monte ao Livramento), e é feita por 2 senhores que movem o carro, chamados de carreiros do monte, durante a descida podem ver a estrada quase em espelho, de tanta vez que aqueles carros lá passam.

61611135_456940408398478_4837165706908794880_n.jpg

(Praia do Faial)

62111928_363935674475339_5534230592582844416_n.jpg

(Casas de Santana)

No final do dia, foi tempo de ir entregar o carro ao aeroporto, e na vinda jantámos no Restaurante Casa Velha, um restaurante clássico com o preço mais elevado que a média. Eu comi o pato que estava simplesmente maravilhoso, se por acaso podem gastar um pouco mais aconselho a irem lá.

No entanto o risotto deles não passa de um arroz cozido com alguns legumes, não fazendo jus nenhum ao prato.

62022246_425983941556513_8380028850070880256_n.jpg

(Pato no Restaurante Casa Velha)

 

 

DIA 4

FUNCHAL - LISBOA

dia 4.png

O último dia começou pelo check-out, o hotel deixou ficar lá as malas até ao final do dia para que pudessemos estar à vontade.

Visitámos a Sé do Funchal, que é linda. Vimos ainda uma exposição de flores e tivemos direito a ver o folclore com os trajes madeirenses.

61980330_2057623007874925_4649857145133596672_n.jp

(Exposição Flores)

61958746_480079389399987_3373248459371970560_n.jpg

(Folclore)

 

61923420_2208148919268433_7121116292857200640_n.jp

(Sé do Funchal)

Fomos visitar então uma das caves do vinho da Madeira, neste caso a Blandy's. Vocês podem marcar no site deles e verem as horas das visitas, a que nós fizemos era a vintage e tem o custo de 9,50€ por pessoa e tem prova no final.

Seguimos para o Mercado dos Lavradores que fica situado no centro do Funchal, e lá dentro pode ver-se as senhoras vendedoras vestidas com o tipico traje madeirense. No mercado podem encontrar peixe, carne, na parte de baixo, frutas, flores e restaurantes no piso 0 e 1.

62263940_354425631927783_1240073185680949248_n.jpg

(Cave Blandy's)

ACS-0098.JPG

(Mercado dos Lavradores)

 

61939314_618675041951287_7696386909722902528_n.jpg

(Mercado dos Lavradores)

61963290_2243318619047418_1998235591753334784_n.jp

(Mercado dos Lavradores)

 

Por último fomos até ao Jardim Botânico da Madeira, tem mais de 2500 plantas de todo o mundo, tem também aves, mas neste momento estão vedadas ao público porque havia pessoas a libertá-las por não gostarem de ver as aves presas, acho uma estupidez as pessoas fazerem isso, mas enfim.

Voltámos então ao hotel onde tinhamos um motorista que reservei pela Suntrafers à nossa espera para nos levar até ao aeroporto. O serviço foi muito profissional e pontual. Adorei.

62352790_2431321187097512_2732537813818933248_n.jp

 

62225871_415730112347099_9076480307040878592_n.jpg

 

 

E assim foram passados estes 4 dias na Ilha da Madeira.

Espero que tenham gostado!

Beijooos